Comportamento
|  N° Edição:  2118 |  11.Jun.10 - 21:00 |  Atualizado em 24.Abr.14 - 21:14

O amor de Richard Burton e Liz Taylor

As cartas inéditas e os diários que revelam a intimidade do mais glamouroso casal de Hollywood que marcou o cinema do séc. XX

Daniela Mendez

img2.jpg

Lindos, apaixonados, talentosos, glamourosos. Por mais de 20 anos eles foram o casal real de Hollywood. Muito antes da era das celebridades instantâneas – ou mesmo do impacto de uma dupla como Brad Pitt e Angelina Jolie –, Elizabeth Taylor e Richard Burton protagonizaram uma história de amor mais intensa e tumultuada do que os dramas do cinema. Eles se casaram duas vezes, se divorciaram duas vezes, mas mantiveram a chama da paixão acesa até a morte de Burton em 1984, na Suíça, de hemorragia cerebral.

A vitalidade da relação é a força motriz do livro “Furious Love: Elizabeth Taylor, Richard Burton and the Marriage of the Century” (Amor Furioso e o Casamento do Século, em tradução livre), que será lançado na terça-feira 15, nos Estados Unidos. A obra tem como destaque as cerca de 40 cartas e bilhetes de amor que Burton enviou a Liz, reveladas pela primeira vez após décadas. Até dias antes de sua morte, o ator galês ainda ansiava por um reencontro. Isso fica claro no último texto dele para ela, que Liz, 78 anos, guarda até hoje em seu criado-mudo. Embora não tenha liberado a carta para publicação, ela a leu para os autores Sam Kashner e Nancy Schoenberger. A atriz recebeu a correspondência em sua casa, na Califórnia, após comparecer ao funeral de Burton na Inglaterra. Os autores também tiveram acesso aos diários de ambos e a partes da autobiografia que Liz escreveu nos anos 1960 e nunca tornou pública.

img1.jpg
MOMENTOS
A paixão em “Cleópatra”, o primeiro dos dois casamentos e juntos em “Quem Tem Medo de Virginia Woolf?”

Burton e Liz se apaixonaram no set de filmagem de “Cleópatra”, em 1963. O ator ficou fascinado por ela no instante em que a viu nua durante o banho da rainha do Egito. Momentos depois, deram o primeiro beijo. A cena foi repetida várias vezes e o beijo entre Marco Antônio e Cleópatra durava mais a cada take. Até que o diretor Joe Mankiewicz perguntou: “Vocês se incomodam se eu disser corta?” Ainda assim eles prosseguiram. Os dois eram casados e o romance incendiou Roma, onde a maior parte do filme foi rodado, a ponto de o Vaticano condenar a relação. “Richard e eu tínhamos uma química incrível. Não nos fartávamos um do outro”, conta Elizabeth. As cartas dele são intensas, cruas e passionais até o fim. “Meus olhos cegos estão desesperadamente esperando para vê-la. Você não percebe, é claro, E.B., o quão fascinantemente bela você é”, escreveu o ator no início do romance.

Eles selaram a união de forma discreta no Canadá, em 1964, e se divorciaram em 1974. Voltaram a se casar em outubro de 1975 e se separaram novamente em julho de 1976. Além da paixão, o relacionamento do casal também foi marcado pelo excesso de bebida que, por fim, contribuiu para a morte precoce de Burton, aos 58 anos. Nada, porém, ofusca a vitalidade deste grande amor que, visto de perto, foi um catalisador para as mudanças em relação a sexo, casamento, moral e celebridade presentes hoje em dia. Uma verdadeira história de cinema.

img.jpg

nice seo guys

EM 01/04/2014 10:48:48

EztD7K Appreciate you sharing, great blog article.Much thanks again. Really Great.


check it out

EM 22/03/2014 07:45:04

TFeJIG Thanks for the blog. Really Cool.


check it out

EM 23/01/2014 07:31:40

CglZvH Great, thanks for sharing this article post.Really thank you! Awesome.


sidney

EM 08/06/2012 19:56:34

Já amei assim e se transformou em ódio tão intenso que quase me destruio, isso não é saudavel, acreditem. Só serve pra experiencia.


diana

EM 14/06/2010 11:39:50

quem não gostaria de viver um amor assim,independente das regras,da sociedade,da religiao,e um dia quando ficarmos idosos,termos a sorte de ter recordaçoes e saudades de uma paixaão asssim





publicidade