Comportamento
|  N° Edição:  2115 |  21.Mai.10 - 21:00 |  Atualizado em 21.Dez.14 - 15:14

Editor de si mesmo

Novas formas de publicar um livro passam o controle para o autor

Verônica Mambrini

chamada.jpg
PUBLICADO
O hobby de Bernardo Salcedo virou livro e vendeu centenas de exemplares

Para um autor desconhecido, publicar um livro é uma epopeia. São dezenas de tentativas perdidas em meio a uma pilha de originais, disputando espaço com outros iniciantes até, finalmente, ser lido por alguma editora. Uma vez aceito, começa um longo processo, que passa por uma detalhada negociação contratual, revisão, escolha da tipografia e design da capa, entre outras etapas. Mas os autores nem costumam reclamar, pois o funil editorial, a maior prova, já foi ultrapassado. Só que outras formas de se publicar um livro estão surgindo nesse mercado. Cada vez mais, autores lançam mão da publicação independente, onde podem controlar desde a capa e o formato do livro até quanto querem ganhar por exemplar.

A publicação independente é uma onda que não para de crescer nos principais mercados editoriais. Nos Estados Unidos, foram publicados 764.448 títulos dessa forma no ano passado, um crescimento de 181% em relação ao ano anterior. Nas editoras tradicionais, foram 288.355 títulos publicados. No Brasil, a tendência está em franca expansão e com muito espaço para crescer. Apenas 0,87% dos livros no País são vendidos pela internet, de acordo com dados de 2008 da Câmara Brasileira do Livro. E as redes sociais e vendas online são, junto com o boca a boca dos autores, o principal canal de divulgação e distribuição dos livros autopublicados.

Essa foi a alternativa utilizada pelo consultor de marketing Bernardo Salcedo, 36 anos. No ano passado, ele lançou um blog com crônicas sobre os amigos. A receptividade foi tão grande, que resolveu publicá-los. “Procurei várias editoras, que não se interessaram”, diz. Acabou publicando “Doze Homens e Nenhum Segredo” pela Ag.Book, que pedia apenas o arquivo pronto, com o livro diagramado. O autor não tem custos e cada livro é impresso apenas quando a compra é efetivada. “A principal vantagem é a liberdade de fazer do jeito que eu quero. Vendi algumas centenas, sem nenhum evento de lançamento, só pelos contatos em redes sociais e pelo próprio blog”, afirma.

G_arte_editor_si_mesmo.jpg

Desde 2009, a AgBook cadastrou 800 escritores, publicou 2 mil títulos e vendeu 7 mil livros, de acordo com Rodrigo Abreu, vice presidente internacional da AlphaGraphics, que controla a AgBook. “Somos uma alternativa para autores que querem relançar obras ou edições que não justificam a impressão de grandes quantidades, ou segmentos que necessitam de atualização rápida de conteúdo, como tecnologia, direito e medicina”, afirma Abreu. Há outros modelos para autores mais ambiciosos, como o da editora All Print, que também distribui as obras. “O autor manda o livro para nós e fazemos a produção, com revisão ortográfica, diagramação, capa e registro”, diz a diretora Luciane de Araújo. Um sem-fim de chances para que cada livro encontre seu leitor.

Kaylee

EM 20/12/2014 22:01:15

Gloomy tales http://www.correlingua.org/buy-papers-really-cheap make my essay Nearly 3,000 people have been evacuated from the area since the volcano erupted early Saturday morning, according to the National Disaster Mitigation Agency. The volcano had been active since October.


Isidro

EM 19/12/2014 04:19:18

Could I borrow your phone, please? http://paultierney.com/custom-college-paper/ wish essay Once the heart of Belfast’s shipbuilding industry, Queen’s Island had gradually fallen into disuse and dereliction. But in 2005 a 30-year masterplan for its development was officially launched.


Clint

EM 19/12/2014 04:19:16

Remove card http://www.mungbean.net/in/?p=how-to-purchase-an-essay graduate school essay buy Poland's state insurer PZU and Croatian tobacco andtourism group Adris are seen as the frontrunners to buy thestake in CO, which has a market capitalization of around 2.17billion kuna ($384.6 million).





publicidade