Livros
|  N° Edição:  2263 |  28.Mar.13 - 21:00 |  Atualizado em 25.Out.14 - 05:00

A face marqueteira de Carmen Miranda

Livro mostra que a cantora foi uma espécie de Lady Gaga do século passado - pioneira no marketing pessoal, ela tem seu nome até hoje associado a produtos na Europa e nos EUA

Antonio Carlos Prado e Tamara Menezes

Com vídeos, mostramos como o cinema e a música ajudaram na construção da imagem dessa precursora dos pop stars:

IstoE_CarmemMiranda_255.jpg

  

01.jpg

Era portuguesa a mulher que foi pioneira na divulgação da música brasileira nos EUA – nossa “embaixadora musical”, digamos assim, bem antes de João Gilberto e Tom Jobim pisarem com a bossa nova o Carnegie Hall. A sua voz, admita-se, não era das mais privilegiadas, mas quem estaria interessado somente pela voz quando tinha diante de si o carisma, a originalidade, a sensualidade e os trejeitos da eletrizante Carmen Miranda? Ela arrasava e escandalizava e encantava, e com certeza foi a portuguesa mais baiana de que se tem notícia.

O que se descobre agora é que Carmen foi também a grande pioneira no marketing pessoal, com visão empresarial mesmo, espécie de Lady Gaga do passado, ligando o seu nome à promoção e venda de produtos, enquanto nos palcos mandava ver o seu “o tico-tico cá, o tico-tico lá, está comendo todo-todo o meu fubá...” Essa é a originalidade da tese da pesquisadora inglesa Lisa Shaw, da Universidade de Liverpool, no livro “Carmen Miranda”. Há uma passagem marcante: “Banana is my business” é a insistente fala de Carmen no filme “Romance Carioca” que ela estrelou em 1950 em Hollywood.

02.jpg
POPULARIDADE
Carmen Miranda comemorou em Hollywood a rendição
do Japão em 1945: pegou bem para a sua imagem

“A cantora se tornou uma franquia que resiste como poderosa ferramenta de marketing”, escreve a autora. De forma consciente e treinada, ela criou e explorou a figura tropical exótica. Carmen era tão boa nisso que, segundo Lisa, até hoje o seu nome é citado em publicidade de “iogurte da Danone na França, carros na Inglaterra, passando por preservativos em Portugal”. Em 2011, a imagem dela serviu para uma propaganda da Brastemp – todos os direitos continuam sendo de sua família, isso até 2025, quando passará a domínio público.

Quando a cultura pop ainda engatinhava com a expansão do cinema e o início da televisão, quando Madonna e Lady Gaga ainda frequentavam outro planeta que não o nosso, Carmen criou a sua “persona” mercadológica. E foi astuta ao perceber o seu potencial: valeu-se de estereótipos do imaginário americano e tornou-se marqueteira de si própria a ponto de em 1943 o seu salário em Hollywood superar o de Judy Garland e Katha­rine Hepburn.

03.jpg
GÊMEAS NA AUTOPROMOÇÃO
Lady Gaga eletriza como Carmen Miranda eletrizou. Lady Gaga
pensa em negócios como Carmen Miranda pensou

Se é verdade, como escreveu o saudoso compositor Billy Blanco, que camelô na conversa vende até algodão por veludo, também é certo que marqueteiro que é marqueteiro traz isso impresso no DNA. Carmen, por exemplo, começou a sua carreira de vendedora ainda no Brasil, lá por volta de 1930, anunciando recatadamente o pós-banho Leite de Rosas. Pueril demais para a fera na qual se transformaria nos EUA, onde até o figurino extravagante viraria moeda corrente no mercado publicitário e a estratégia de vendas incluiria fotos em capas de revistas e entrevistas nas quais ela aparecia usando os produtos e balangandãs que criava. Dos turbantes vieram contratos com lojas de departamento famosas demais como a Bonwit Teller e a Macy’s, que até hoje se vale da marca Carmen Miranda. Nos anos 1940, ela anunciou um aparelho de rádio GE. Se vivesse atualmente, seu apenas 1,63 m de altura não daria conta de tanto penduricalho que teria de pregar em seu corpo para propagandeá-los. Por esse tino para os negócios, ninguém acertou mais que o radialista César Ladeira quando a apelidou de “A Pequena Notável”. Quem mordeu-se de ciúme foi Aurora Miranda, irmã de Carmen. Claro: ela, Aurora, era a namorada do marqueteiro que criou o apelido.

04.jpg

Fotos: Bettmann/CORBIS; Divulgação

Richard

EM 23/10/2014 05:08:49

I hate shopping http://djdinaregine.com/blog albendazole 400 mg price He said the locomotives separated from the buffer car - aheavy railcar loaded with stones or rocks or sand - and thetanker cars, which were laden with a free-flowing type of Bakkenoil from North Dakota.


matt

EM 14/10/2014 09:54:44

7sfmHz http://www.QS3PE5ZGdxC9IoVKTAPT2DBYpPkMKqfz.com


crorkz

EM 06/08/2014 05:16:51

OsmxFT Really informative blog article.Thanks Again. Really Great.


link building

EM 17/07/2014 06:22:39

sUnQ9i Thanks a lot for the blog post.Thanks Again. Really Cool.


nice penalty removal

EM 18/06/2014 09:03:14

NlcF2z Very informative article.Really looking forward to read more. Fantastic.





publicidade