Comportamento
|  N° Edição:  2211 |  23.Mar.12 - 21:00 |  Atualizado em 22.Ago.14 - 10:09

Bonitas, bem-vestidas e bandidas

Como agia a engenhosa gangue das loiras, formada por jovens mulheres de classe média que cometiam sequestros relâmpago na cidade de São Paulo

João Loes

img.jpg
TIME COMPLETO
Em sentido horário, Vanessa Vendramini, Franciely Santos,
Carina Vendramini, Priscila Amara, Monique Awoki e Silmara Lan

Belas, loiras, bem-vestidas e articuladas. Eram assim as integrantes de uma engenhosa quadrilha especializada em cometer sequestros relâmpago na capital paulista. Os alvos, não por acaso, eram mulheres igualmente bonitas, loiras e bem- arrumadas. Munidas dos cartões de crédito, com as senhas e os documentos de identidade das vítimas, a quadrilha comprava eletrônicos e sacava milhares de reais em poucas horas sem levantar suspeitas, para pouco depois libertar as sequestradas nos limites da zona leste da cidade. O golpe funcionava desde 2008. Mas acabou na semana passada, quando Carina Geremias Vendramini, 25 anos, uma das loiras, foi presa na casa onde vivia com o marido e a filha de 2 anos, em Curitiba (PR). Na quinta-feira 22, Monique Awoki Casiota, a única integrante morena, e o representante masculino do grupo, Wagner de Oliveira Gonçalves, também foram capturados. “Vínhamos investigando a gangue das loiras há algum tempo”, diz Jorge Carlos Carrasco, diretor-geral da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). “Essas prisões são as primeiras de muitas.”

Outras quatro loiras, com idade em torno de 25 anos, completavam o bando – e, até o fechamento desta edição, estavam foragidas –, que criou uma espécie de roteiro para garantir o sucesso da empreitada e dificultar a identificação de seus membros. O primeiro passo era sempre escolher vítimas loiras, assim os documentos da sequestrada casavam com o visual da sequestradora que usaria os cartões. O segundo era agir com pelo menos três pessoas na equipe, o que tornava possível usar uma loira para abordar a vítima e outra para comprar com os cartões. Um dos três integrantes era Gonçalves, que fazia as vezes de motorista. Quando a polícia exibia para a vítima as imagens das lojas onde o cartão foi usado, ela não conseguia lembrar se quem estava fazendo as compras era a mesma pessoa que havia feito a abordagem inicial.

“Era um passo a mais que eles davam para tentar nos despistar”, diz o delegado Alberto Pereira Matheus Júnior também do DHPP. Mas o esquema acabou falhando. “Mais vítimas do que eles imaginavam lembraram do rosto e de detalhes das loiras envolvidas na trama”, diz Matheus Júnior. Carina foi identificada dessa maneira.

img1.jpg
EM AÇÃO
Vídeo que registra a gangue das loiras comprando iPads com cartão roubado.
Abaixo, a prisão de Wagner de Oliveira Gonçalves e Monique Casiota

img2.jpg

Uma das vítimas, que reconheceu a sequestradora, foi capaz de lembrar que ela tinha uma pequena tatuagem no pescoço. Os ânimos se exaltaram na sala onde aconteceu o reconhecimento, a ponto de a mulher avançar sobre a golpista, que, durante o sequestro, fazia ameaças com a arma em punho, batia e puxava o cabelo de quem mostrava algum tipo de resistência. “O curioso é que em crimes desse tipo as mulheres costumam cumprir um papel mais secundário, mas nesse caso elas eram as protagonistas”, diz Carrasco, sobre uma das pecualiaridades do caso.

Outra curiosidade que veio à tona, com a prisão de Carina, é o fato de a criminosa ter construído uma vida paralela em Curitiba, como uma respeitável mãe de família. A polícia ainda apura o envolvimento do companheiro da sequestradora na trama, mas os indícios são de que ela de fato agia sozinha. Um levantamento feito por dez investigadores do DHPP, sob o comando dos delegados Carrasco e Matheus Júnior, mostra que Carina saía de Curitiba e tomava um avião para São Paulo com o objetivo único de cometer esses crimes. Ao marido, ela dizia que vinha visitar a família, mas, já no aeroporto paulista, se encontrava com seus comparsas e, no estacionamento, fazia a primeira vítima. “O golpe era de cerca de R$ 20 mil por vítima”, diz Matheus Júnior.

Em um dos sequestros, oito iPads foram comprados de uma só vez pelo bando. “Como é que alguém vende oito iPads sem checar duas, três vezes a documentação?”, questiona Carrasco. Talvez o charme das loiras tenha rendido alguns vendedores e gerentes de loja, afinal, já são pelo menos 50 boletins de ocorrência com relatos que remetem à forma de agir da quadrilha. “Eles começaram com assaltos a condomínios e migraram para o sequestro relâmpago”, diz o delegado. Com o tempo, apuraram a técnica e ganharam confiança suficiente para manter uma rotina de até três sequestros por semana. Se chamavam de “Bonnie” e “Clyde” durante os crimes, uma alusão ao casal de bandidos americanos imortalizados no cinema. Mal sabiam que a polícia estava no encalço de cada um deles.

Thiago

EM 27/03/2012 08:58:00

A polícia diz Que carina ia pra São Paulo varias vezes mais não tem uma passagem de avião no nome dela. esse blog mostra a verdade. http://www.incompetenciacivil.blogspot.com.br/


Carola

EM 26/03/2012 16:50:02

Família ? ! que educação essas vagabundas tiveram, bem feito para os idiotas que ficam babando nessas prostitutas safadas, tem que toma cana sim e apodrecer na cadeia, penso é na família de quem sofreu sequestro relâmpago com essas cadelas sem vergonhas, acorda povão !


Buchi

EM 25/03/2012 11:00:33

É a família de quem praticou tais atos que sofre muito nessas horas. Eu já passei pela experiência de ter o rosto de um ente familiar estampada nos jornais, a dor é grande e horrível. Penso e oro pela família.


annilton

EM 24/03/2012 17:42:25

com certeza a familia das criminosas estão sofrendo com o escandalo no mesmo nível das vítimas, q paguem pelo q fizerem la em tremembé...juntas com a outra lira q ta por lá.....


annilton

EM 24/03/2012 17:42:25

com certeza a familia das criminosas estão sofrendo com o escandalo no mesmo nível das vítimas, q paguem pelo q fizerem la em tremembé...juntas com a outra lira q ta por lá.....





publicidade