Economia & Negócios
|  N° Edição:  2205 |  10.Fev.12 - 21:00 |  Atualizado em 24.Out.14 - 13:45

O caos vai acabar?

Como a vida dos passageiros vai melhorar com a privatização dos aeroportos de Guarulhos, Viracopos e Brasília - e como os novos donos prometem modernizar o setor aéreo até a Copa

Amauri Segalla e Adriana Nicacio

chamada.jpg
TRANSTORNO
Lotação no Aeroporto de Guarulhos: privatização é a
única saída para melhorar o conforto dos passageiros

Na quinta-feira 9, o administrador de empresas Oswaldo Ribeiro desembarcou às 11 horas da manhã no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, mas só conseguiu entrar no táxi que o levaria para casa três horas depois. O transtorno começou na entrega de bagagens, calvário que durou absurdos 90 minutos, e continuou na enorme fila de imigração. “Viajo a trabalho semana sim, semana não, e não encontro esse inferno em nenhum outro lugar do mundo”, diz Ribeiro. “Se você desembarca perto do horário de almoço, não tem lugar disponível nos restaurantes e há espera até nos banheiros.” Nos últimos anos, o enriquecimento do País não foi acompanhado pela evolução dos aeroportos – e essa defasagem atazana a vida de milhões de brasileiros. A boa notícia é que o caos pode estar com os dias contados. A concessão de três dos principais aeroportos do País (Guarulhos, Viracopos e Brasília), arrematados por empresas privadas em leilão realizado na segunda-feira 6, pode ser o início do esperado processo de modernização do setor aéreo.

Para o governo, foi um grande negócio. Os três vencedores vão pagar à União R$ 24,5 bilhões em até 30 anos, valor que será corrigido anualmente pela inflação. Na melhor de suas estimativas, a presidenta Dilma Rousseff esperava arrecadar R$ 16 bilhões. Além disso, o governo se livra de administrar uma atividade complexa que só tem gerado desgaste junto à opinião pública. Isso, porém, é apenas um lado da história. Afora as discussões políticas recheadas de inclinações partidárias, para o brasileiro comum o que interessa é que sua vida pode, sim, melhorar. “Uma de nossas prioridades é tornar o aeroporto um lugar muito mais confortável para os passageiros”, diz Gustavo Rocha, presidente da Invepar, consórcio que arrematou Guarulhos em parceria com a operadora sul-africana ACSA. “Vamos aumentar a oferta de serviços oferecidos às pessoas.” Por oferta de serviços entenda-se principalmente uma remodelação de lojas, restaurantes e estacionamentos que funcionam em Guarulhos.

A empresa espera, num prazo de até três anos, dobrar seu faturamento com produtos não tarifários, como são chamados os estabelecimentos comerciais dos aeroportos. Atualmente, esse tipo de receita é responsável por menos de 30% do faturamento total de Guarulhos. É pouco. No aeroporto JFK, em Nova York, o percentual está próximo de 70%. A Invepar também planeja inaugurar um hotel no entorno de Guarulhos e não descarta alugar espaços para cinemas, diversão comum em aeroportos americanos, mas que não emplacou no Brasil. Uma das prioridades imediatas é a ampliação do número de vagas de estacionamento. Em Guarulhos, elas são pouco mais de cinco mil, uma ninharia perto dos 80 mil passageiros que circulam diariamente por ali. Nesse ponto, a privatização dos aeroportos representa a solução rápida de um antigo problema. Por lei, a Infraero não pode administrar estacionamentos de aeroportos, o que a obrigava a repassar o serviço para terceiros.

É inegável que tudo isso, somado à construção de um novo terminal para sete milhões de passageiros até a Copa de 2014 e à ampliação da área de check-in e de despacho de bagagens (leia quadro), deve facilitar a vida dos passageiros. Parceira da Invepar, a sul-africana ACSA tem um histórico de bons serviços prestados em seu país. Quem viajou à África do Sul na Copa de 2010 pôde desfrutar da reforma do Aeroporto O.R.Tambo, em Johannesburgo. Apesar do grande número de turistas e jornalistas que foram ao evento, quase não havia filas nas diversas áreas, nem sequer na imigração. “Nossos projetos incluíram um novo terminal e 14 mil novas vagas de estacionamento”, disse à ISTOÉ Christopher Hlekane, gerente-geral do Aeroporto O.R.Tambo.

Vencedora do leilão para gerir o Aeroporto de Brasília, a empresa argentina Corporación América passou nos últimos anos a administrar os principais aeroportos do país, mas também enfrentou problemas no caminho. A companhia possui uma rede de 33 aeroportos na Argentina, dois no Uruguai, dois no Equador e um no Peru. Experiência não falta. A dúvida é sobre seu histórico, marcado por pedidos de renegociações de contratos. “Nosso objetivo é melhorar a infraestrutura para a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016”, disse à ISTOÉ Eduardo Eurnekian, presidente da Corporácion América. Em Brasília, além dos investimentos na ampliação do terminal e da pista, o projeto básico prevê mais vagas de estacionamento, aumento das áreas de check-in e raio X. Segundo Eurnekian, a companhia vai desembolsar US$ 500 milhões nos primeiros cinco anos. Promessas de grandes melhorias também foram feitas pelo consórcio que vai administrar o Aeroporto de Viracopos, em Campinas. Na semana passada, o grupo liderado pela brasileira Triunfo disse que vai investir até na construção de um terminal de trem para servir o aeroporto. Se tudo isso realmente for realizado – e cabe às autoridades fazer com que as vencedoras do leilão cumpram os contratos –, os brasileiros poderão, enfim, esquecer as turbulências que hoje ameaçam os aeroportos brasileiros. 

img.jpg

paulo cesar sanches figueiredo

EM 23/08/2012 14:42:05

nao acho legal privatizaçao dos aeroporto pq quem fica rico sao empresa multinacionais e claro serviço fica claro nao eficaz alem privatizarao rodoviarias nao melhorou nada alem ferroviarias ALL esta rica e uma empresa argentina eu vagao sao mesmo mais dez anos ate 70 anos atras hfe


Marcos Kniess

EM 28/02/2012 23:07:50

Não é privatização, é CONCESSÃO!!!! Aos pessimistas de plantão: Vai melhorar sim.


Wagner Lucio Ferreira

EM 14/02/2012 21:42:40

A Infraero tem problemas, mais na sua maioria são causados pelas diretoria incopetente da própria Infraero e da vendida ANAC, não pelo corpo técnico da empresa. Não se falam das filas dos check-ins ou que imigração é da responsabilidade da Polícia Federal. Falta contar tudo de errado não só Infraero


Joaquim Tavares

EM 14/02/2012 18:55:13

antes de melhorar, ainda ira pior muito


nelson

EM 14/02/2012 16:21:25

- Alguém já viu boi voar? Aguardem....





publicidade