Artes Visuais
|  N° Edição:  2132 |  17.Set.10 - 21:00 |  Atualizado em 18.Set.14 - 07:16

Tempo instável

Exposição conta a história das relações entre arte e técnica no Brasil e situa a instabilidade como qualidade comum entre arte digital e interativa

Paula Alzugaray

Téckne/ Museu de Arte Brasileira – Faap, SP/ até 12/12

chamada.jpg
MUNDO CODIFICADO
Obras de Anaisa Franco (acima) e Waldemar Cordeiro (abaixo)
propõem novos modelos de retratos

Quando Julio Le Parc deixou as tintas para trabalhar fundamentalmente com a luz, o movimento e a participação do público, ele tinha uma preocupação em mente: a instabilidade da vida cotidiana. Membro do grupo de artistas sul-americanos que se estabeleceu em Paris na década de 1950 e desempenhou papel importante no lançamento da arte cinética na Europa, Le Parc esteve em São Paulo para a montagem da mostra “Téckne”. “Chamam minha obra de cinética, mas as definições limitam a obra de arte. A técnica nunca foi meu motor. A tecnologia que uso sempre foi muito elementar. Minha preocupação era criar uma obra instável  e para isso fui buscar a luz”, diz o artista. 

O duplo mérito dessa curadoria compartilhada entre Denise Mattar  e Christine Mello é, por um lado, realizar um trabalho arqueológico, arquivístico e histórico – ela revisita as cinco principais mostras de arte e tecnologia realizadas pelo MAB-Faap entre 1964 e 1986 –, mas também atualizar as questões do passado em um significativo conjunto de obras contemporâneas. Trata-se, portanto, de seis mostras em uma. 

img.jpg

“Lumière en Mouvement”, concebida por Le Parc em 1964 para a mostra “A Instabilidade”, funciona como um farol ou fio condutor da exposição. Remontada sob formas diversas nas últimas décadas, a instalação é a mais pura expressão do conceito da primeira mostra revisitada.  A segunda a ser lembrada, “Arteônica”, de 1971, teve curadoria de Waldemar Cordeiro e é considerada uma das primeiras exposições de arte computacional de São Paulo. Logo vem “O Objeto na Arte – Brasil Anos 60”, de 1978. “A assimilação do objeto como nova categoria artística sinalizou uma abertura de caminho para as novas mídias que começaram a surgir”, explica Denise. 
 
Essas novas mídias são o carimbo, o xerox, a arte postal e o vídeo, contemplados na mostra “Arte Novos Meios – Multimeios: Brasil 70/80”, de 1985, que empreendeu um primeiro esforço de historiografar a videoarte brasileira, apresentando desde o antológico vídeo “Passagens”, de Annabella Geiger, ao raro “Olinda”,  de Regina Vater e Paulo Bruscky. 

img1.jpg
NOVA ÓTICA
Luzes em movimento,
na obra de Le Parc

A segunda metade da mostra é formada por um expressivo núcleo contemporâneo, com obras de artistas como Ana Maria Tavares, Anaisa Franco, Lucas Bambozzi e a dupla Rejane Cantoni e Leonardo Crescenti. Seus trabalhos efetivamente se enquadram no grande conceito regente da mostra, criando situações tão instáveis, desconcertantes e radicais quanto uma tempestade meteorológica provocada por ondas sonoras, caso de “Tormenta Azul Brilhante”, de Luis Duva, e a desconstrução do eixo histórico  e arquitetônico de Brasília, no vídeo “Eixo X”,  de Alexandre Rangel e Rodrigo Paglieri. 

good backlinks

EM 03/07/2014 13:13:23

aToGbI Really informative blog post.Really thank you! Cool.


cheap seo services

EM 17/06/2014 19:56:24

ENSgoZ Fantastic post.Thanks Again.


best seo company

EM 04/06/2014 08:19:57

cb667o I really enjoy the blog post.Thanks Again. Awesome.


nice seo guys

EM 12/05/2014 06:58:15

71CbKj Really informative article.Really looking forward to read more.


nice seo guys

EM 11/05/2014 22:30:29

3voK4p Very good blog.Thanks Again. Really Great.





publicidade