Paulo Lima
Paulo Lima é fundador da editora e da revista Trip

COMO ESTOU DIRIGINDO?

Bem além dos adesivos colados nas traseiras dos carros de frota, um cientista se propõe a desvendar o que há por trás da maneira como dirigimos

 Paulo_Lima_Abre.jpg

Roberto DaMatta tem 74 anos e desde a década de 60, estuda e ensina antropologia.
Escrever é outra de suas paixões. Ele o faz sistematicamente em jornais e livros. Agora, aliás, se prepara para lançar um novo que terá o curioso nome de “Fé em Deus e Pé na Tábua – Como e Por que Você Enlouquece Dirigindo no Brasil”. Trata-se de uma ideia por si intrigante: analisar o comportamento dos brasileiros pela maneira como guiamos nossos carros.

A ocupação das ruas, a agressividade ao conduzir, o carro como espaço privado trafegando sobre o público (em alguns tristes casos no sentido literal...

São 40 mil mortos no trânsito todos os anos no Brasil). O jornalista Ricardo Calil esteve com o antropólogo recentemente para ouvir algumas de suas conclusões. Vejamos um resumo da conversa:
E o que você descobriu sobre o comportamento dos brasileiros estudando nossos motoristas?

Que nosso comportamento terrível no trânsito é resultado da nossa incapacidade de sermos uma sociedade igualitária; de instituirmos a igualdade como um guia para a nossa conduta. Nosso trânsito reproduz valores de uma sociedade que se quer republicana e moderna, mas ainda está atrelada a um passado aristocrático, no qual alguns podiam mais do que muitos, como ocorre até hoje. Em casa, nós somos ensinados que somos únicos, especiais. Aprendemos que nossas vontades sempre podem ser atendidas.

É o espaço do acolhimento, do tudo é possível por meio da mamãe.  Daí a pessoa chega na rua e não consegue entender aquele espaço onde todos são juridicamente iguais. Ir para a rua, no Brasil, ainda é um ato dramático, porque significa abandonar a teia de laços sociais onde todos se conhecem e ir para um espaço onde ninguém é de ninguém. E o trânsito é o lado mais negativo desse mundo da rua. É doentio, desumano e vergonhoso notar que 40 mil pessoas morrem por ano no trânsito de um país que se acredita cordial, hospitaleiro e carnavalesco. No Brasil, você se sente superior ao pedestre porque tem um carro. Ou superior a outro motorista porque tem um carro mais moderno ou mais caro. O motorista não consegue entender que ele não é diferente de outro motorista, do pedestre, do motorista de ônibus. Que ele não tem um salvo-conduto para transgredir as leis. No Brasil, obedecer à lei é uma babaquice, um sintoma de inferioridade. Quem obedece é subordinado porque a hierarquia que permeia nossas relações sociais jamais foi politizada. Isso é herança de uma sociedade aristocrática e patrimonialista, em que não houve investimento sério no transporte coletivo e onde ainda impera o “Você sabe com quem está falando?”.


publicidade

best prices

EM 01/04/2014 12:37:26

HnLynI Great blog post.Thanks Again. Really Great.


Marlee

EM 28/03/2014 13:21:06

Not bad at all fellas and gaalls. Thanks.


Thena

EM 27/03/2014 21:44:48

This arctile went ahead and made my day.


nice seo guys

EM 22/03/2014 09:35:40

kuI9Yo I think this is a real great post.Thanks Again. Really Cool.


awesome things!

EM 21/01/2014 21:57:49

uFS7Zs Major thankies for the article post.Much thanks again. Awesome.