A Semana > Entrevista
|  N° Edição:  2199 |  28.Dec.11 - 21:00 |  Atualizado em 27.Nov.14 - 15:12

Robério de Ogum

"Em 2012, Dilma vai derrubar muito mais gente"

Um dos médiuns mais famosos do Brasil, ele diz que o pior para a saúde da presidenta já passou e prevê crise no mundo por mais cinco anos

por Paula Rocha

Assista à entrevista :

BLOCO 01

Robério de Ogum conta sua história e fala sobre seus medos. Confira o primeiro bloco

 roberio2_site.jpg

 

 

 BLOCO 02

Neste bloco, Robério de Ogum diz o que pensa a respeito das simpatias de fim de ano

roberio3_site.jpg

 


img.jpg
PARCERIA
Depois de 12 anos de afastamento, Robério e Luxemburgo voltaram às boas:
"Conquistamos um título pelo Flamengo"

Robério Alexandre Bavelone, conhecido como Robério de Ogum, é um dos médiuns mais solicitados do País – já chegou a atender 150 pessoas num único dia. Amigo de grandes figurões da política e do esporte, como Paulo Maluf e Vanderlei Luxemburgo, esse paulista de Itápolis tem no currículo previsões importantes que se tornaram realidade. Foi ele quem previu que no fim de 1995 o Brasil passaria por “uma espécie de guerra santa”, antecipando o conflito entre católicos e evangélicos após um pastor chutar, em rede nacional, uma imagem de Nossa Senhora Aparecida. Robério também anteviu que o ex-senador Antônio Carlos Magalhães teria um ano difícil em 2001, quando ACM renunciou ao Senado. Mas nem só de acertos vive o vidente. Robério disse que, em 2004, Ricardo Teixeira poderia deixar a presidência da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), o que não ocorreu. Agora, aos 57 anos, separado pela segunda vez e pai de um rapaz, Robério consultou as entidades do plano espiritual, a pedido de ISTOÉ, para saber o que 2012 reserva para a política brasileira, para a economia mundial e para algumas personalidades.

ENTRE-02-IE-2199.jpg
"Será um ano complicado para Neymar. Ele tem que se proteger porque
pode vir aí uma contusão forte, séria, que deve afastá-lo dos gramados"

img1.jpg
"O (presidente americano) Obama corre um sério risco de não se reeleger, será
um período marcado por muitas perdas e derrotas na vida política do presidente"

Istoé -

O que o sr. prevê para a política brasileira em 2012?
 

Robério de Ogum -

O plano espiritual mostra que o próximo ano será marcado por grandes transformações políticas, principalmente nas lideranças dos partidos. Teremos um número maior de CPIs e veremos as legendas brigando muito, com desgastes e escândalos. Será um ano de guerra para a política brasileira. Não será um ano positivo para o presidente do Senado, José Sarney. Será muito complicado para ele, repleto de obstáculos. Também vejo muito atrito no Congresso. E nossa economia passará por dificuldades. O povo estará financeiramente apertado. Será um ano mais sofrido no sentido econômico, infelizmente.
 

Istoé -

E para a presidenta Dilma? Como estará sua saúde?
 

Robério de Ogum -

No próximo ano, a presidenta mostrará que tem um pulso mais firme do que vimos em 2011. Ela estará extremamente determinada e vai derrubar muito mais gente. O que vimos este ano não é nada em comparação com 2012. Quem cometer um erro será claramente punido por Dilma de forma transparente. Quanto à saúde, o momento mais difícil para ela já passou. O ano 2012 será dela, um ano em que ela terá muito equilíbrio, será ela mesma e mostrará a que veio.
 

Istoé -

E a saúde do ex-presidente Lula?
 

Robério de Ogum -

Lula também já passou pelo momento mais difícil. Ele é um homem de superação. O espírito do ex-presidente tem no seu carma a missão de vencer obstáculos. Então todas as conquistas dele vêm depois de sacrifícios e sofrimentos. Mas não vejo nada de negativo para ele em 2012. Lula continuará sendo um grande líder e ainda trabalhará muito. Ele veio para a Terra para ser transformador e não me surpreenderia se concorresse à Presidência novamente em 2014. Mas não consigo ver isso com clareza agora.  

Istoé -

O Brasil vai brilhar na Olimpíada de Londres?
 

Robério de Ogum -

Sim. O Brasil tem grandes chances de trazer a medalha de ouro no futebol. O País estará muito forte na competição, mas a grande realização ficará mesmo com o futebol.
 

Istoé -

O que 2012 reserva para Neymar?
 

Robério de Ogum -

Será um ano complicado. Ele tem que se proteger porque pode vir aí uma contusão forte, séria. Essa contusão deve afastá-lo dos gramados por algum tempo, mas não significará o fim de sua carreira. Ele vai se recuperar. Além do craque que é, Neymar é um ser iluminado, com um carisma muito forte, que o faz brilhar. E, apesar da contusão, estará cercado de proteção e deve fazer sucesso por muito tempo ainda.
 

Istoé -

Ainda aconselha personalidades do meio esportivo?
 

Robério de Ogum -

Um monte. A mais conhecida é o Vanderlei Luxemburgo. Trabalhamos juntos de 1988 a 1998. Aí, por interferência de uma pessoa que trabalhava com ele, o Oswaldo (de Oliveira, auxiliar técnico), nos afastamos. O Vanderlei é uma pessoa muito honesta com quem trabalha com ele. Um dia sentamos para conversar, e eu disse: “Olha, você tem que escolher: ou eu, ou o Oswaldo.” Sentia que a permanência do Oswaldo na equipe traria problemas cedo ou tarde. O Vanderlei disse que não poderia dispensá-lo naquela altura, então eu saí. Ficamos sem nos falar por 12 anos, até retomarmos o contato na ida dele para o Flamengo, no final de 2010. Hoje estamos juntos. E, graças a Deus, estamos bem. Conquistamos um título pelo Flamengo.
 

Istoé -

É verdade que foi o sr. quem disse para os jogadores do Palmeiras usarem meias brancas na final contra o Corinthians em 1993?
 

Robério de Ogum -

Nessa decisão, o Palmeiras tinha perdido o primeiro jogo. O time estava sob intensa pressão, mas eu tinha convicção de que seríamos campeões. Desde 1989 eu já falava para o Vanderlei que quebraríamos o jejum de títulos do Palmeiras. Antes da partida previ que o Corinthians teria três expulsos e que o Palmeiras ganharia por 1 a 0 na prorrogação. Pedi ao Vanderlei que os jogadores entrassem de meia branca. Eu via que o time estaria iluminado e o branco dá luz, clareza, invoca intuição e paz de espírito.
 

Istoé -

O que prevê para o ator Reynaldo Gianecchini em 2012?
 

Robério de Ogum -

Vou fazer uma revelação. O Gianecchini trabalha com a empresária Márcia Marbá, irmã da Angélica. Um dia, dez meses antes de ele descobrir que estava com câncer, falei para a Márcia: “Estou muito preocupado com o Gianecchini.” Eu via que ela ficaria um bom tempo sem trabalhar com ele. Quando o plano espiritual me mostrou o que aconteceria com o Gianecchini, vi que o carma dele estava atrelado ao carma do pai, que também teve câncer. Hoje vejo que ele vencerá a doença e sairá dessa. Se perder, será por outro problema de saúde, não pelo câncer.  

Istoé -

A crise econômica nos países desenvolvidos continuará forte?
 

Robério de Ogum -

Ainda se arrastará por muito tempo. Não vai acabar em 2012 nem em 2013. Deve durar pelo menos mais cinco anos. E, no próximo ano, a crise pegará aqui também. Quanto ao euro, não vejo sinal de que ele acabará no próximo ano. Vejo que os países europeus devem se unir e juntar forças para aguentar esse período turbulento.
 

Istoé -

O presidente americano Barack Obama irá se reeleger? 

Robério de Ogum -

O ano 2012 será muito complicado para ele, talvez seja o pior ano da vida dele. O Obama corre um sério risco de não se reeleger, será um período marcado por muitas perdas e derrotas na vida política do presidente. Na vida pessoal ele também estará mais apagado. A mulher dele, Michele Obama, é muito forte espiritualmente, tem um grande astral, uma intuição que aponta onde estão os erros, mas vejo que ela estará muito desgastada, descontente, e que já não terá mais a mesma vontade de antes. E ele perderá muito dessa luz, que é dela.  

Istoé -

Como o sr. faz suas previsões?
 

Robério de Ogum -

Já usei búzios para antever o futuro, mas obtinha as respostas antes mesmo de eles virarem. Hoje ouço as respostas direto das entidades, que são os santos e orixás que me acompanham. Estamos conversando agora e do seu lado está o senhor Ogum. Conforme você me faz uma pergunta, ele me responde. Nesse momento há pelo menos 18 orientadores espirituais na sala. Eles formam uma corrente e passam as informações para mim.  

Istoé -

Como descobriu sua mediunidade?
 

Robério de Ogum -

Tive minha primeira visão quando era seminarista. Um dia, no seminário, acordei, fui escovar os dentes, e quando me olhei no espelho vi atrás de mim um homem barbudo, que carregava um livro. Foi um choque e comecei a gritar. Fui para meu quarto e não conseguia nem abrir os olhos, de medo. De repente, à noite, minha cama pegou fogo do nada. A partir daí não consegui mais assistir aula, porque esse senhor barbudo sempre aparecia na minha frente. Comecei a contar isso para as pessoas, e todos acharam que eu estava louco, inclusive eu mesmo.
 

Istoé -

Sua família chegou a interná-lo num hospital psiquiátrico por causa das suas visões. Como foi essa experiência?
 

Robério de Ogum -

Minha mãe era beata de igreja. Eu tinha uma tia freira. Toda minha família era católica. Para eles, o espiritismo era satânico. Depois das minhas primeiras visões, me levaram ao psiquiatra e comecei a tomar gardenal (sedativo) e haloperidol (antipsicótico). Depois me internaram num hospital psiquiátrico. Fiquei amarrado na cama seis ou sete vezes. Cheguei a tentar fugir junto com outros internos. A partir daí, durante anos, minha vida foi ficar entre minha casa e o hospital psiquiátrico. Certa vez, tomei um pote inteiro de gardenal e outro pote inteiro de haloperidol e quase morri de overdose, mas sobrevivi. Por causa desses problemas, parei os estudos. Não pude ter uma infância e uma adolescência normal e só consegui desenvolver minha mediunidade aos 15 anos. Sofri muito e enfrentei muitos preconceitos para chegar até aqui.
 

Istoé -

O sr. segue alguma religião?
 

Robério de Ogum -

Sigo a religião espírita, independente de ser kardecista, umbandista ou do candomblé. O médium de verdade não busca uma facção. Ele tem o corpo entregue ao plano espiritual. Mas, como tenho formação católica, continuo fazendo o sinal da cruz quando passo em frente a uma igreja. Eu gosto de rezar o “Pai-Nosso”, a “Ave-Maria”. Também gosto das igrejas evangélicas. Acho que existem grandes pregadores lá. Mas existem também enganadores. Tem pastor que vende água comum dizendo que é benta (risos). Como também há bandidinhos na minha religião. Gente que bota aquelas faixas “trago o amor em cinco dias”, “faço amarração”.  

Istoé -

Quantas pessoas o sr. atende por mês, em média? 

Robério de Ogum -

Olha, já cheguei a atender 150 pessoas por dia. Hoje não. Já estou com 57 anos e atendo menos. Atualmente 13.800 pessoas frequentam meu templo. São pessoas que atendi e que não saem aqui de casa, que voltam para conversar, ouvir um conselho, uma palavra amiga.
 

Istoé -

Por que há tanta curiosidade em adivinhar o futuro?
 

Robério de Ogum -

É natural do ser humano. Mas fazer uma previsão exige muita responsabilidade. Nem tudo o que eu vejo posso falar. Não posso falar para uma pessoa “você vai sofrer um grave acidente de carro”. Isso mataria a pessoa, ela viveria em pânico. O que posso dizer é “olha, quando você dirigir, tome mais um pouco de cuidado”. O médium não pode ser um carrasco, não tem esse direito. Em 2012, vamos perder três grandes comunicadores brasileiros. Três pessoas que marcaram a história da comunicação. Mas não posso dizer os nomes. Poderia ser processado por isso e pior, tiraria a alegria da vida dessas pessoas.
 

Istoé -

Cobra por suas consultas?
 

Robério de Ogum -

Sim. Quando faço um atendimento, peço duas cestas básicas. Agora pedirei três. As cestas eu mando para uma casa que auxilia aidéticos. Atendo cerca de 45 empresas e sempre peço doações a elas. Essas empresas praticamente me sustentam. Quando fecham um grande negócio, me mandam uma parte. Já tive três fazendas, ganhei dinheiro com gado e com laticínio, mas vendi tudo. Hoje sou sócio do meu filho numa agência de publicidade. E toda semana ele me dá uma graninha para gastar (risos).
 




Últimas Entrevistas

Deputado Antonio Imbassahy 21.Nov.2014
Rosane Malta 14.Nov.2014

rnmendonca

EM 05/01/2012 13:49:52

Seguir o espiritismo com clientes? ao que me consta chico xavier não tinha, nem deixou nenhum cliente.


mussuline

EM 05/01/2012 12:37:08

Meu caro Anizio este charlatão não é o unico equivocado,esta Revista tambem é safada e mal intencionada isto e inacreditávelmente tendenciosa.


Mário J.De Menezes

EM 04/01/2012 17:08:51

Senhor Robério equivocou-se ao afirmar que é espirita. Ele deveria ter usado o termo espiritualista, que é diferente de espírita. Pois no espiritismo não há templos, não há qualquer cobrança monetária, tampouco sincretismo religioso, embora a doutrina ensine que as religões são úteis a seus adeptos.


Anizio Ferreira

EM 04/01/2012 16:07:11

E tem mais: não precisa ser médium para falar sobre a situação do Obama. Esse médium é de araque. Como diria o Padre Quevedo: Isso non ecziste!


Anizio Ferreira

EM 04/01/2012 16:05:12

Robério, nos diga: afinal de contas, ficaremos ou não livres do Sarney em 2012?